17.2.06

TOMÁS TAVEIRA


Por causa de uma prosa que li no Hardblog o mês passado, reproduzida parcialmente aqui, percebi que reinava escândalo na cabeça de "ilustres" figuras da nossa "cultura" e da nossa arquitectura, em particular, por o arquitecto Tomás Taveira ter sido nomeado para o conselho consultivo do Instituto Português do Património Arquitectónico (IPPAR). O dito escândalo manifestou-se agora sob a forma de "carta aberta", com 150 assinaturas, entregue no ministério da Cultura. Entre outros mimos, as notabilidades consideram um "insulto" e um "ultraje" a presença de Taveira no referido conselho e lembram, quais inquisidores de dedinho espetado, que foi "reformado compulsivamente" da Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa. Se lermos os nomes das notabilidades que se eriçam contra Taveira, encontramos a "nata" do establishment no sector. Ou seja, trata-se de uma reacção corporativa e tipicamente de capela por parte de umas criaturas talentosas - algumas são-no, de facto - que o regime tem protegido e abençoado. Estão lá praticamente todas. Esta gente, como na política, considera-se dona dos costumes e das coisas em que mexem e onde sobrevivem. Fazem parte de um petit comité que se protege mutuamente e que, quase sempre, encontra no poder alguém que se babe para cima deles. Muitos ocuparam anos a fio cargos oficiais e "custa-lhes" - o termo é este - que um "renegado" como Taveira também possa ocupar. Tomás Taveira é um grande nome da nossa arquitectura contemporânea e, para sua infelicidade, não é tão "perfeitinho" como os seus algozes. O seu nome caiu na "boca do mundo" apenas por ser um bom profissional com defeitos humanos. As "virgens ofendidas" da "carta aberta" imaginam-se modelos virtuosos e cumpridores de padrões "morais". São mais uns quantos que estão muito bem uns para os outros.

13 comentários:

Anónimo disse...

... sem mais
... e, termina muito bem

"São mais uns quantos que estão muito bem uns para os outros"

Anónimo disse...

Naturalmente será um ponto de vista que o senhor JG, típica criação de um "portugal dos pequeninos", espera poder vir a transmitir ao Presidente Cavaco uma vez nomeado seu assessor cultural, cargo a que se candidatou com a conhecida falta de coluna vertebral que lhe é reconhecida.

Anónimo disse...

... será possível o que acabo de ler no ultimo comentário acerca da pessoa de JG?
... quando se perde a noção do que são os "valores" está tudo dito ...

Anónimo disse...

Qual é a diferença entre JG e Vitalino Canas?

Anónimo disse...

Eu ainda prefiro os que vão às meninas do que aos meninos...

Anónimo disse...

assessor cultural?Não é para todos é só para alguns...a inveja é lixada!!

Anónimo disse...

Como assessor nem perfazia um mês!!!

Anónimo disse...

Gostei do seu Blog. Realmente não conhecia. Peço-lhe que continue.

R.O. disse...

Sobre Tomás Taveira, o seguinte: Infelizmente, como constatamos ao olhar a deploravel paisagem urbana portuguesa, não hexistem lobbys suficientemente fortes de arquitectos qualificados. Haverá decerto privilégios junto de câmaras municipais e outros promotores, onde patos bravos e arquitectos frouxos constroiem coisas inenarráveis.
O João Gonçalves tem todo o direito de admirar, endeuzar, ou o que quizer, o arq. Taveira. No entanto os seus argumentos parecem-me, no mínimo, despropositados. É possível que o arq. Taveira não pertença, como ele gostaria, ao lobby dos arquitectos. Mas não pertencerá ele a outros lobbys? Quantos estádios de futebol ele projectou para o Euro? Que pensamento tem o arq. Taveira sobre, por exemplo, a cidade de Lisboa, que ele disse em tempos detestar? Que pensamento tem ele sobre questões de património arquitectónico? Conhece a proposta que Taveira chegou a apresentar após o incêndio do Chiado, prevendo engaiolar as ruas com edifícios desmesurados e grandes coberturas envidraçadas, ali mesmo ao lado da baixa pombalina?
Ninguém duvidará que Taveira seja um arquitecto hábil, exuberante e produtivo. Mas as suas propostas não são, do meu ponto de vista, nem arrojadas, nem qualificadas. Pelo contrário, apresentam uma parafrenália de formas e superfícies de complexidade artificiosa, rebuscada, por vezes kitsch, que as tornam um fenómeno de popularidade nesta nossa terra de pequeníssima estima pelas coisas da arte.
Quanto ao argumento sobre a vida privada do arquitecto, considero-a lamentavel, e desprimorosa para o próprio Taveira, porque aventuras ou desventuras pessoais só a ele dizem respeito. A contestação à arquitectura de Taveira é muito anterior ao escândalo mediático e por isso este caso não pode vir agora ser utilizado para limitar juízos estético sobre edifícios por ele projectados, ou condicionar uma avaliação objectiva sobre o seu comportamento profissional.
Quanto às assinaturas de protesto, ou qualquer outra manifestação de desagrado, talvez signifiquem apenas que ainda há gente que se manifesta em torno daquilo em que acredita. É um direito em democracia, e num país que se demite de posições firmes significa também sentido cívico.
A história encarregar-se-á de confirmar se a arquitectura de Taveira é ou não uma extravagância datada, se produziu ou não obras marcantes na escala mas medíocres no conceito. Ver-se-á também o papel reservado áqueles que o contestam.

1313 disse...

a maioria dos taveiras e dos outros, os tais da "nata do establishment no sector", não valem nada. à custa dos conhecimentos e das cunhas o país está cada vez mais ignorante, feio, triste e sujo. no meio do desordenamento aparecem modernismos caixotescos que são provavelmente más copias do pior que se faz "lá fora".
além disso, a marina de albufeira é horrível.

Anónimo disse...

Este blog é realmente interessante. Oscila entre divagações engraçadas e comentários disparatados.
Este último post acerca do ("Arquitecto"????) Tomás Taveira é no minimo......virtuoso.

Um grande bem haja Ultraperiférico pelo seu importante contributo. Faço minhas as suas palavras.

Às vezes atiram-se umas "postas de pescada" sem o minimo sentido nem conhecimento de causa apenas, quiçá, porque está na moda ser diferente. Faz-me lembrar colegas que ouvia na Faculdade dizer....
"...epá não curto o Siza, o gajo construtivamente é mauzinho, é tudo igual....e tal..." Um pouco de humildade não fazia mal.....


Já agora JG, vá ver um jogo ao estádio de Alvalade e se não se fizer luz acerca das qualidades do dito arquitecto.....pouco resta a fazer. E entretanto, se se der a esse trabalho (e se gostar de futebol), assim como quem não quer a coisa, visite a sede do Sporting que fica ali mesmo ao lado. Essa vale a pena ;)

matias disse...

Não pondo em causa os gostos pessoais de cada um dos anteriores sobre a arquitectura de Taveira, e não duvidando dos vários lóbis deste desgraçado País, uma coisa não dúvido, este homem que aqui comentamos tem certamente muito mérito pelo trabalho que executou até ao momento, ao contrário de muitos dos criticos que se julgam com o dom da razão, mas que na prática não se vê nada destes...

Anónimo disse...

Gosto!??
Nestes assuntos não me venham com gostos, é o chavão dos chavões em tudo o que se ralaciona com Arte mas pior, na Arquitectura e no design!
Taveira é sinónimo de KITCH! Eu sei que vão contestar... Não vou perder mais tempo.
A História vai prová-lo, ou será que já não o fez?