25.4.11

OUTRO "DIA INICIAL, INTEIRO E LIMPO"

Foi muito "bonita" a cerimónia do "25 de Abril" em Belém. Foi muito consensual, "pedagógica" e querida. Já a quinta-feira de 1974, apesar de mais cinzenta, tinha sido assim: bonita, consensual, querida e florida. A Poeta chamou-lhe, até, "o dia inicial, inteiro e limpo". Não obstante tanta epifania e beatitude, chegámos aqui, a este imenso e perigoso falhanço colectivo. Estamos a precisar de outro "dia inicial, inteiro e limpo". O de 25.4.74 acabou.

Apontamento1: De Pedro Santana Lopes. Achou a cerimónia bonita, um termo recorrente no léxico político de Lopes que, por vezes, tende a ver a realidade com os olhos de um menino deslumbrado por um tubarãozinho azul, no Oceanário, a brincar com duas focas amestradas. Num aspecto, porém, tem razão. Os quatro palestrantes do dia "bonito", sem excepção, presidiram a partidos ou foram seus secretários-gerais. Dois deles chegaram, por isso, a primeiros-ministros. Até Lopes, aliás. O círculo do regime dos 37 anos é mesmo quadrado. De Gaulle, que execrava a IV República francesa, fundou uma outra, a V.

Apontamento2: No facebook, o sr. Lello apelidou Cavaco de "foleiro" por não ter convidado os deputados todos para Belém. O sr. Lello, desde que deixou de tingir o cabelo, ficou pior. Um pouco mais reles do que o habitual.

Apontamento3: Isabel da Nóbrega foi agraciada com uma venera qualquer em Belém. Fez bem o PR em a ter homenageado depois de o seu nome ter sido banido das dedicatórias originais pelo esposo da D. Pilar del Rio a quem o regime, certamente, deve ter dado mil e uma veneras e por quem nutria verdadeiro temor reverencial.

Apontamento4: Pequena história do local da "cerimónia bonita": «Este pátio [Pátio dos Bichos], cuja designação provém de lá terem estado em tempos, em celas próprias, bichos provenientes de África, que provocavam o encanto dos frequentadores do palácio, foi transformado, com o decorrer dos anos, para permitir que o local fosse frequentado por outros bichos (e bichas) mais consentâneos com a a modernidade.»

22 comentários:

a.marques disse...

O RECREIO DOS SONÂMBULOS

Os comemoradores oficiais de Abril dão mais um "bom" exemplo ao País. Acordam sempre de tal maneira tarde que a esta hora ainda devem estar a terminar o pequeno almoço. Já é 1/2 dia e eu com a barriga vazia.

Os soberanos da crise juntos até á capela dos ossos. Revisitada a nudez crua de um martírio escancarado.

Os desenterrados coveiros da Pátria assomam á janela como rebuscados educadores da classe operária.
Dando de barato:
-As enormidades de Sampaio como novo descobridor da atitude, ao remeter para a sociedade civil, que nunca entrou nas contas dos políticos, o ónus da desgraça.
-As habilidades circenses do eterno e mal parado Soares.
-Os arremedos de Eanes, fruto calibrado pela sua independência partidária.
-A cartilha ressequida e gasta do enigmático eucalipto Cavaco.

Todos falam em nome do povo a um povo sem voz.
E remetem, alinhadamente com a comunicação social o soberbo Sócrates para uma sumida nota de rodapé.

Bem hajam,
se passar pelas brilhantes cabecinhas que esta etapa de crentes na procissão beata saída do conclave de Matosinhos , é a antecâmara para o caixote do lixo da história. O 25 de Abril não pode pagar tantas e tão distribuídas e reclamadas contas falsas.

Gallião Pequeno disse...

Quatro presidentes, três verbos de encher, duas nulidades e mais um dia de merda.

Anónimo disse...

Proponho que todos saiam daqui para fora e o ultimo a sair apaga a luz e fecha a porta. Este País não tem cura.
Os quatro da cerimônia, ou se quizer a nova Brigada do Reumático, conseguiram foi dar cabo do brinquedo, não obstante tanta ajuda exterior ao longo destes anos.

Hermitage disse...

PASTÉIS DE BELÉM E RESTAURADOR OLEX

Em Belém a cena foi antológica: branqueia-se tudo e todos e desresponsabilizam-se, os agentes, próximos, afastados e longinquos.

Porque realmente não são os políticos do Governo, do Partido Socialista, os realmente responsáveis, nãooooooo !!!

A conversa é a seguinte:

Portugal desde 1976, tem sido presidido pelo Pato Donald, pelo Mickey, pela Aurora Boreal e pelo Cenoura.

Como é evidente tudo bonecos famosos acima de qualquer suspeita, sem responsabilidades.

O governo depois de Cavaco, teve como primus interpares, o Picareta-Falante, o Fugitivo, o Bom Rapaz, e logo depois o Diplomado.

Como é evidente tudo bonecos famosos, sem responsabilidades, no desastre.

No Banco de Portugal, esteve o Cisco Kid e agora o Zorro.

Ninguém põe em causa a espinal, destes artistas do mundo de aventuras.

Restava assim o tsunami que nos encalhou, de responsabilidade exclusiva da mãe-natureza, para fazer o acto de desresponsabilização pública, frente ao rio....

Tá feito.

Somos todos bons rapazes, o Mickey, o Donald, o Cenoura, o Diplomado e mai-los outros e então vamos apelar a uma vaquinha.

Se estivermos todos unidos, fazemos um governo sopa de pedra, dividimos esta coisa por Distritos, para aqui vai o PSD, para ali vai o PS, noutro Distrito fica a mandar o CDS.

O mesmo para as Empresas Públicas, as Comissões, os Grupos de Trabalho.

Com o cheque do FMI, salva-se o que se puder e muito dos aparelhos vão continuar...

Esta a fórmula.

Reformar o Parlamento e acabar com uma Assembleia Nacional, parecida com a do Mário Figueiredo, com nomeados pelo Chefe para as listas? é o reformas !!!

Acabar com Institutos, fundações, grupos de Trabalho? é o acabas!!!

Privatizar as grandes fontes de prejuízos no País, onde estão na Administração, o A do PSD, o B do PS, o C do CDS, o D algures entre o Bloco e os Verdes ? é o privatizas !!!

Acabar com Gov. Civis que nada governam ? é o acabas !!!

Então a farsa está à vista.

Que nisto tudo Cavaco se preste ao papel de:

- anfitrião de Soares que apenas quer evitar que o socialismo vá para a lixeira da Cova da Beira, salvando de caminho os subsidios à sua Fundação.

- recepcionista de Eanes, que lê discursos hieroglifados, cujo elemento teleológico será apreendido lá para 2080.

- escort de Sampaio, que um dia insultou Manuela Ferreira Leite mai-las suas teorias orçamentais, e se esqueceu até hoje de pedir desculpa e depois recolher a penates ao seu T4.

Depois de Cavaco se prestar a tudo isto só posso dizer: ora porra para aquela recente manhã; mais valia ter ido jogar à bisca, que votar.

Pior que o desastre das Finanças Públicas é o deserto estratégico desta gente.

Este o nosso verdadeiro drama.

Anónimo disse...

O resultado do nosso desastre é por causa dos consensos, consensos excessivos.
"Consenso" é eufemismo para troca de favores e fingir que não existem os podres. Varrê-los para debaixo do tapete.

"Many people fear nothing more terribly than to take a position which stands out sharply and clearly from the prevailing opinion. The tendency of most is to adopt a view that is so ambiguous that it will include everything and so popular that it will include everybody. Not a few men who cherish lofty and noble ideas hide them under a bushel for fear of being called different."

Martin Luther King, Jr., Strength to Love


lucklucky

Anónimo disse...

Certo João, muito consenso muita concórdia. O que eu gostava de ver era gente sem medo de nos dizer como nos vamos libertar desta porcaria onde estamos atolados. E já agora como estão a pensar em arrumar o mitomano. Dixam essa responsabildade para o povo...Muito lindo...O povo!?
Estes consensos são para manter o regime como está.Uma decepção continuada...Sem limites...

Anónimo disse...

...no Guincho (tirando o vento) ou no balneário-mor do Colombo.

Que farsolas...

João Gonçalves disse...

Por acaso fui ao Guincho. E com vento e águas agitadas como convém. Belas ondas, melhores banhos.

الرجل ذبح بعضهم البعض ولكن الخيول باهظة الثمن disse...

nã acabou nada enquanto houver políticos vivos o 26 de Maio vai-se perpetuando nos seus filhos

e no caso de soares nos netos...


5 de outubro sempre
mas desta vez que seja lá mais pra junho
é quisto dir à praia em Abril
só se o aquecimento global tiver aceso

Aires Vilela disse...

A entrevistar o Sampaio, a socretina Fátima diz que Portugal "está a sofrer um ataque das agências de rating".
A imbecilidade e a cretinice deviam ter um limite, sobretudo quando se juntam...

joshua disse...

Um bocejo consensualóide. Sampaio deu mais pau na homilia.

Anónimo disse...

O 25 de Abril não foi comemorado no Palácio de Belém, e o discurso que valeu não foi o dos 4 estarolas, responsáveis por trinta anos consecutivos, de desgoverno, de decadência e de desastre nacional.
Aquilo foi mais uma respeitável palhaçada, em nome da unidade, da estabilidade, da irresponsabilidade, e da impunidade, e "preparação" do eleitorado para o próximo acto eleitoral.

Neste 25 de Abril, o festejo, sincero e sentido, foi na Avenida da Liberdade, e o discurso, ponto de ordem lúcido e justo, foi pelo General Vasco Lourenço.

Anónimo disse...

José Lello é líder duma das facções mais dinâmicas do PSocretino: a facção lello-trocista...

João Gonçalves disse...

1º, não promova outra vez o homem a general. Foi apenas nisso graduado, em 75, para assumir o comando militar de Lisboa. 2º, tem mesmo a certeza que ele sabe articular frases com sujeito, verbo e complementos?

Anónimo disse...

Sem duvida que a forma pode e deve reforçar o sentido e valor do conteúdo.
Mas é o conteúdo que procuro e que me interessa, mesmo que disforme.

scriabin disse...

Ó João Gonçalves, dê-lhe com o Céline, mais duas pitadas de Ópera, e remate com o Sena, o Sena. O Vasco Lourenço até vai andar de lado, pobre homem.

Pensamento em revoluçao... disse...

25 de abril a ser comemorado por Cavaco???
Loucura!!!!!
salazar deve dar voltas na tumba assim como a sua fiel pide...
enfim... neste pais é sempre melhor parecer do que ser...
honesto e honrado!

Anónimo disse...

O seu comentário 4 é muito maldoso...
Irrita-me o facto de haver tanto unanimismo em torno de 25 de Abril.
Todos os anos é sempre o mesmo: porrada no Estado Novo. Esquecem-se que foi o período do século passado em que Portugal mais cresceu económicamente, chegando a atingir os 10% em 1970; que a situação financeira encontrava-se estabilizada. Até dá a sensação que querem "perdoar" as fraquezas deste regime com os "horrores" do antigo regime. Não fora a guerra colonial e certamente que teria havido, antes da Espanha, uma transição pacífica para a democracia, sem PRECs, nacionalizações, quebras do PIB e desbaratemtno dos dinheiros públicos.

Anónimo disse...

O Santana Lopes deve, pelo menos, ter gostado muito de dar um apertado abraço ao Jorge Sampaio.

Lindo...

da-se disse...

"O Vasco Lourenço até vai andar de lado"
E já viu esse dono de Abril andar de outro modo?

Anónimo disse...

Apontamento útil ao "Apontamento 2": deve ser algo comum entre as hostes clepto-socialistas, pois não é só Lello que bruscamente prescinde da futilidade cosmética na ornamentação pilosa; também já Ramalho, o conhecido Ramalho-da-FNAT, tinha subitamente deixado de tingir a matéria córnia - aparecendo branco-de-neve como um avô nos estúdios da SIC-N - e suscitando discretos arregalares de olhos no jornalista Crespo.

Ass.: Besta Imunda

Anónimo disse...

A esta distância, a frase do Sampaio segundo a qual há mais vida para além do défice, parece verdadeiramente assassina.