11.4.11

O LUGAR QUE ISTO É

Os candidatos a deputados que aí vêm não interessam rigorosamente para nada. Se já eram ornamentos a mando das direcções partidárias de ocasião, na legislatura que se segue acumulam isso com a circunstância de terem de obedecer ao exterior por interposto governo. O anúncio coral-sinfónico de Assis e de Ferro, em Matosinhos, não os torna menos inúteis e irrelevantes. Quando muito, apenas um pouco mais ridículos no seu pseudo-esplendor de "figuras nacionais". Nada obsta, porém, a que se caia na tentação de piorar as coisas - como acaba de suceder com o caso Nobre, uma rematada estupidez populista da liderança de Passos Coelho - colocando aqui e ali umas avezinhas e uns macacos adrianos dos partidos, isto é, bonzos serviçais que envergonhem ainda mais o país aos olhos dos prestamistas. Pena, por exemplo, que luminárias como Pacheco Pereira fiquem na história da legislatura interrompida por nada quando tudo sabem e adivinham. Quando se pensa "agora é que é", agora nunca é. Bem vindos, pois, os peritos da CE/FMI. Longe das reuniões dos sorrisinhos entre farsantes, perto dos periféricos arvorados em ricos, é que eles vão ver o lugar que isto é.

10 comentários:

Carlos Dias Nunes disse...

Bem, mas o que surpreende é como, em meia dúzia de anos, sob o desgoverno do falso engenheiro, os termos socialista e vigarista, além de rimarem, se tornaram sinónimos.
E, mais surpeendente ainda, como gente aparentemente séria filiada no PS faz de conta que não enxerga o óbvio.
O resto, convenhamos, é folclore.

Anónimo disse...

Só vejo uma saída para este partido dito socialista: conduzir o processo de negociação a tal descalabro que leve Portugal a ser expulso do Euro, senão da UE. Para culpar o PSD e evitar uma coisa que na lei ética republicana do PS só eles podem ter (governo, presidente, maioria), Portugal será levado por onde for necessário, nem que seja preciso submeter os velhinhos com reformas de 180 euros à fome para depois dizer que a culpa é do PSD e da extrema esquerda.

Anónimo disse...

No congresso o Machado falou e o Seguro ficou calado.

Anónimo disse...

Passos é uma desilusão; pelas oportunidades perdidas de demonstrar coerência e consistência. Tem é catado-ali e catado-aqui (em tudo: frases, pensamentos, pseudo-programas, etc, etc) . E tem-se deixado cercar mais e mais por sebáceos indivíduos - como Relvas, a quem dá carta-branca nas TV's (e logo a um analfabeto disfuncional!!! porque será?!?). É a influência nefasta do caciquismo-tachista do PSD-provinciano, que está cheio de fome e faz a média-pesada da estupidez nacional. Agora, com o espartilho FMI, só lhe resta(ava) apresentar um governo-futuro-sombra (ou como quiserem chamar-lhe!) composto por gente competente e falar sinceridade, demonstrando que não é um mentiroso incompetente como pinto-de-sousa que merece uma terceira oportunidade. Mas não; perde tempo e intimida-se perante o Kerido-Líder, e inventa listas de deputados. Os tais deputados que o povo-dos-inquéritos-de-rua apelida sistematicamente de "ladrões". Bravo.

Ass.: Besta Imunda

fernando éfe disse...

Nota 1. O futuro parlamento não serve para nada. Será uma caixa de ressonância de um imenso vazio (mais uma), um tambor serôdio que ecoará, monocórdico, sem fulgor, nem competência/s.
O futuro governo também não interessa muito.
Os credores dirão o que querem e ao que vêm. A ver se, "os zé-zé-camarinhas lá de baixo", que "não se governam nem se deixam governar", ganham tino e tomam juízo na vida. Vamos lá a fazer contas: se tenho 5 e gasto 7, quanto fico a dever? 2, gritará esfusiante e prenhe de orgulho o futuro ministro das finanças de dedo no ar; e o parlamento, o para-lamento em coro "grego", ecoará numa toada de aprendizagem escolástica: zwéééééi...

Nota 2. Será que a Dona Manuela, a erudita das Finanças que bateu défices e recordes de défices a esmo, se referia a isto, ao que lá vem, quando falou na suspensão da democracia? Ná, a pobre criatura não tem lucidez para tanto. Se tivesse, falaria de "suspensão de soberania". Mas pronto, deixemos a "defunta" (política!, é claro!) em paz.

Anónimo disse...

Enganam-se aqueles que dizem que o "FMI" vai mandar em tudo. É falso. O FMI quer
que as contas batam certo e os credores fiquem com dinheiro, só.
Ou seja o futuro será a escolha dos vencedores e dos perdedores porque não há recursos para tudo. O futuro vai ser o mais político que alguma vez foi.


lucklucky

Pensamento em revoluçao... disse...

A malta já está cansada de tantas jogadas políticas... seja PS ou PSD é tudo a mesma sujidade (para não dizer outra coisa). É que tanta manipulação tolha-me a linguagem...
As pessoas que não se deixem enganar por sorrisos, vitimizações e caras larocas!
Não podemos continuar com memória de galinha!
estes gajos só nos lixam!
Com ou sem FMI se não dissermos basta... estaremos sempre a ser comidos!!!!!!
Não creio em salvadores... muito menos no PP! Que bem trabalhado estará ano nível de socrates!
Cuidado com os narcisistas!

joshua disse...

E esperança não palra por aqui?

joshua disse...

Eu voto PP. Contra a falência do País e o superavit de cínico.

Pensamento em revoluçao... disse...

Esperança não é sinónimo de partidarismo! E muito menos de conformismo!
E também não sou muito fã de submarinos!