29.12.10

O MIÚDO E O ADULTO

Vamos ver se o debate entre Cavaco e Alegre consegue, pelo menos, mais um espectador do que os anteriores. Mesmo assim, não é caso para isto por muito que o bardo se esprema. Há fenómenos crónicos em que se puxa mas não dá mais. Já dizia o Doutor Salazar.

Adenda: Depois da coisa, respira-se de alívio pelo fim destes debates absurdos. Penso ter ficado claro, de uma vez para sempre, que apenas depende de Sócrates e das nomenclaturas partidárias a manutenção desta legislatura até ao seu derradeiro dia. E que Alegre olhará, com nostalgia, para o milhão de votos que obteve em 2006. Jamais o repetirá.

14 comentários:

Anónimo disse...

"Eu jurei a Constituição".
Pois ... nada impedia Cavaco Silva de se assumir portador de um projecto de inovação constitucional.
É mais um igual a todos os outros, um marasmo, sem rasgo nem audácia. Voto nulo.

Carlos Dias Nunes disse...

Alegre foi ao tapete e com razão: não vale um caracol. A última façanha que se lhe conhece foi a de ter tentado que a Universidade de Coimbra certificasse habilitações que não tem: está tudo na Torre do Tombo, para quem quiser consultar.
Há quem lhe chame Manuel Triste. Por mim, acha que escrevem um "i" onde devia estar um "a"...

floribundus disse...

a joldra ou choldra social-fascista terminou por agora o seu número de circo.
a seguir vem a penicada costumeira da estrumeira dos ratos.

vamos todos votar
para o pm ficar sozinho em campo

Alves Pimenta disse...

Está na RTPN uma parvalhona, de sua desgraça Inês, a debitar uma série de inanidades sobre o debate Cavaco/Alegre.
Pergunta-se: como é que somos obrigados a pagar, com os nossos impostos, este "serviço público" de pacotilha, prestado por nulidades como a dita Inês?

Anónimo disse...

Um debate mole, entre dois candidatos profundamente comprometidos com a presente ruína nacional.

Não tocaram nos rabos de palha, que ambos ostentam impunemente.

Não tocaram no "status quo", no Estado da Nação, arruinado, endividado, e corrupto.

Entregue a estes "senhores", o Estado de Direito é uma anedota.

Com qualquer deles, o país vai continuar a afundar-se, às ordens da maçonaria e da usura financeira.

Anónimo disse...

Entretanto o TC já declarou válida a candidatura de José Manuel Coelho, deputado do PND Madeira.
Um candidato a quem não foi dada possibilidade de participar nos debates.
http://www.publico.pt/Pol%C3%ADtica/coelho-apresenta-queixa-a-cne-por-nao-participar-nos-debates_1472972

Anónimo disse...

Está na RTPN uma parvalhona, de sua desgraça Inês, a debitar uma série de inanidades sobre o debate Cavaco/Alegre.
Pergunta-se: como é que somos obrigados a pagar, com os nossos impostos, este "serviço público" de pacotilha, prestado por nulidades como a dita Inês?

E RTPN não pode ser vista pelos Portugueses que a pagam.

Quanto ao resto eu não votei em Cavaco mas pelo menos esperava que ele fosse honesto com a sua base de apoio.

lucklucky

antónio chuchado disse...

Anda por aí, uma cambada de alarves, a assustar os residentes, com a desgraça do fim do sns e de apoios sociais, se o psd for governo.

Será que esses alarves se esqueceram de que foram outros alarves, agora a governar, que retiraram o abono de família?

Alegre, parece-me, não foi ao fundo, mas, a boiar, não deixa de andar à deriva; alguém que alerte o vate de que terá melhor sorte se for sonetear.

E, para debater, na sicn, com o sobrinho Barroso, proponho o Victor Moura Pinto: só este tem "conversa" para o elegante ex chefe de casa civil.

antónio chuchado

João Sousa disse...

O António Chuchado diz que Alegre está a boiar. É uma associação de palavras particularmente feliz, "boiar" e "Alegre", pois esse verbo remete-me sempre para outros pequenos corpos boiantes que se vêm no Tejo, presas fáceis das gaivotas.

Anónimo disse...

Anonimo das 10.09: Eh pá não tenham medo da maçonaria, que aquilo é um grupo jantarista que não tem assim tanto poder. (Alguns são mesmo gays-phenix...perdão phonix).

Garganta Funda... disse...

Meus amigos, nada de ilusões.

Portugal vai continuar da mesma forma como tem andado há mais de três décadas.

Pequenino e irrelevante como de costume.

Içam a bandeira branca para os credores e os «mercados» terem compaixão de nós...

ag disse...

Ambos me enojam. Por razões diversas. E há quem supostamente procura ruptura e atira com textos seminais da literatura portuguesa e depois,(por politiquice á moda da terrinha) encosta-se a inúteis.
Boa noite e boa sorte.

Citar Sena e dar nisto, é exercício para diletantes.

ag disse...

"É preciso nascerem duas vezes para serem mais honestos do que eu", diz aquele prognata que quer enganar o país como outrora enganou a academia (o puro acaso da morte prematura de Alfredo de Sousa não permitiu que se soubesse mais sobre o caso).
A sua honestidade dita, entre outras, que promulgue o casamento de pessoas do mesmo sexo enquanto, por entre um chorrilho de argumentos cretinos, assevera discordar da ideia; que lamente a situação do país como se fosse uma virgenzinha no processo que conduziu até aqui; que rosne contra a retirada do bolo-rei orçamental ao ensino privado, quando houve uma dependência directa perante esse mesmo sector parasitário da úbere teta das Finanças.
O tiro sai errado quando se fala do BPN, porque aí as provas são escassas (embora se saiba das suas visitas diárias, por longos anos, ali a Palhavã). Por mim, dispenso provas de desonestidade pessoal e basta-me a pública e notória desonestidade política, se me é permitida a redundância; e a impressão, há muito firmada, de que uma conduz à outra.
Como costuma dizer-se, isto não está para gente séria. No que respeita a este neo-paladino da honestidade, por mim replicar-lhe-ia, com toda a estima pessoal, que politicamente ele não nasceu nem três nem duas vezes: nasceu uma vez a mais.


De quem escreve melhor que eu.

Aires Vilela disse...

Este "ag", pelos vistos, nem sequer uma vez nasceu... Finou-se antes disso, por manifesta cretinice.