4.1.12

IDEAIS ESQUECIDOS


É mais ou menos isto.

1 comentário:

Carlos Azevedo disse...

[deixo aqui um excerto da introdução, que transcrevi há uns meses no meu blogue, caso interesse a algum leitor]

Da Introdução:

«Thomas Mann leu Goethe durante toda a vida. Nos seus últimos anos reuniu os ensaios que escrevera acerca dos livros que se tinham tornado seus amigos, dos mestres que se tinham tornado seus contemporâneos: Shopenhauer, Tolstoi, Fontane, Lessing, Cervantes, Freud e, acima de todos, Goethe. O título dessa colectânea é: Nobreza de Espírito: Dezasseis Ensaios sobre o Problema da Humanidade. O ano da publicação, 1945. Dificilmente, um título poderia ser tão amargo. Desde então mal ouvimos falar, ou lemos, acerca da nobreza de espírito. Tornou-se inconveniente falar acerca da nobreza de espírito e o próprio ideal tem sido esquecido.»

Rob Riemen, Nobreza de Espírito: Um ideal Esquecido. Tradução de António Carvalho. Lisboa: Editorial Bizâncio, 2011.